Sunday, October 24, 2010

sentir

'os sentimentos que mais doem, as emoções que mais pungem são os que são mais absurdos - a ânsia de coisas impossíveis, precisamente porque são impossíveis, a saudade do que nunca houve, o desejo do que poderia ter sido, a mágoa de não ser outro, a insatisfação da existência do mundo. todos estes meios tons da consciência da alma criam em nos uma paisagem dolorida, um eterno sol-pôr do que somos. o sentirmo-nos é então um campo deserto a escurecer, triste de juncos ao pé de um rio sem barcos, negrejando claramente entre margens afastadas.
não sei se estes sentimentos são uma loucura lenta do desconsolo, se são reminiscências de qualquer outro mundo em que houvéssemos estado - reminiscências cruzadas e misturadas, como coisas vistas em sonhos, absurdas na figura que vemos mas não na origem como se a soubéssemos. não sei se houve outros seres que fomos, cuja maior completidão sentimos hoje, na sombra que deles somos, de uma maneira incompleta - perdida a solidez e nós figurando-no-la mal nas só duas dimensões da sombra que vivemos.'
bernardo soares

2 comments:

André Guerreiro said...

aquela vilipendiosa busca pela sombra branca :)

Gabs said...

De todos os mil que foi, este é o que gosto mais.
É sempre um prazer, e um sentimento de preenchimento, conhecer mais um fragmento. Mesmo que já o tenha lido, sabe sempre diferente, adapta-se bem. :)